Um pioneiro em Indaiatuba

Como a história de José Lino Gavoli pode inspirar outros jornaleiros

O que faz um jornaleiro ser diferente de outro certamente não são as revistas que eles vendem. O diferencial de um jornaleiro muitas vezes vem da cordialidade com os seus clientes, o sorriso sempre no rosto e a paixão pelo que faz, que o torna mais gentil e faz do seu dia a dia na banca mais prazeroso. E sabe o que é melhor? Os clientes percebem isso e voltam na revistaria só para ganhar atenção e serem mimados.

Há cinco décadas, essa é a receita de sucesso do jornaleiro José Lino Gavioli, dono da Revistaria Gavioli, situada no centro de Indaiatuba (SP).  Simpático e comunicativo, tem o atendimento como um dos seus diferenciais. Ao lado da filha Jimena, formam uma dupla atenciosa, com quem os clientes não dispensam uma conversa ou uma recomendação de leitura. “Jimena gosta muito de ler e costuma indicar livros para os clientes”, afirma. Outro detalhe que faz a diferença é uma garrafa de café, sempre presente no PDV. O gesto é simples, mas o carinho é grande, e quando chega um cliente, sabe que pode tomar aquele cafezinho na revistaria logo de manhã.

A Gavioli também se tornou uma referência de solidariedade e responsabilidade social. “A gente aceita doação de livros usados, vende por R$ 5 e o dinheiro arrecadado é usado para comprar leite, que é doado todo fim de mês”, diz o jornaleiro.  A beneficiária é a Associação Beneficente Irmã Dulce, que cuida da segurança familiar de crianças e adolescentes.

Outra ação da revistaria é o “Bibliobanca”, um projeto de empréstimo de livros para a comunidade, que existe há 12 anos. O projeto Bibliobanca é um incentivo da prefeitura, e visa conceder a isenção da taxa de ocupação do solo nas vias e logradouros públicos, em favor dos donos de bancas de revistas. “O cliente preenche uma ficha com seus dados e pode pegar livros emprestados. Todo ano a gente compra da prefeitura cerca de 50 títulos”, explica.

Projetos como esses, de caráter social e comunitário, ampliam a circulação de pessoas na revistaria, e elas acabam se interessando por revistas e outras publicações que estão à venda.

História de três gerações

Há sete anos, a Revistaria Gavioli está localizada em um prédio onde funciona a Secretaria de Cultura do município, ao lado de outros serviços públicos, como o Acessa São Paulo, de inclusão digital, o Projeto Guri, de educação musical, e a Casa do Artesão, de comercialização de artesanato. Mas a história vem de longe.

Era 1968 quando Ângelo Gavioli, o pai de José Lino, montou a primeira banca de rua de Indaiatuba. Era uma banca simples, de madeira, mas era a grande novidade. Irmão do antigo distribuidor da cidade, Ângelo administrou a banca durante quase quatro décadas, até se aposentar.

José Lino tinha 12 anos quando começou a trabalhar com o pai. Os tempos mudaram, a banca foi substituída por outra mais moderna, acompanhando a evolução do mercado, até se mudar para onde estão as instalações da prefeitura, e se tornar uma revistaria em alvenaria.

Hoje, José Lino e Jimena honram o sobrenome Gavioli, mantendo a tradição de décadas na venda de revistas e bons serviços prestados em favor da difusão da cultura e da educação de Indaiatuba.